Gasolina pode ter nova queda de preço

10 novembro 2016


Gasolina pode ter nova queda de preço

O Globo

10/11/2016 – Após anunciar a segunda redução nos preços da gasolina e do óleo diesel em menos de um mês — que entrou em vigor ontem — a Petrobras informou que poderá fazer novas baixas se a cotação do petróleo continuar em queda no mercado internacional. Desde meados do mês passado, o barril de óleo teve baixa de 12%. O preço da gasolina para a refinaria teve queda a partir de ontem de 3,1%, e o do diesel, de 10,4%.
A informação foi dada ontem pelo diretor de Refino e Gás da Petrobras, Jorge Celestino, ao explicar que a decisão de reduzir os preços foi tomada porque a estatal estava perdendo mercado. No mês passado, a importação de diesel pelos concorrentes representou 18% do mercado e a de gasolina, de 6% a 7%, como consequência da queda dos preços de petróleo. Em volume, foram importados 190 milhões de litros de gasolina e 1 bilhão de litros de diesel. MUDANÇA DE POLÍTICA Desde o mês passado, a Petrobras passou a adotar uma política nos combustíveis que prevê revisões mensais levando em conta variáveis como os preços internacionais do petróleo, a margem de lucro e o mercado interno. O diretor garantiu que, com a nova redução, os preços estão alinhados com o mercado internacional. Celestino explicou os motivos que poderão levar a novas reduções nos preços na refinaria.
— Até porque essa é nossa grande declaração. O que estamos dizendo é o seguinte: nós vamos ter preços alinhados com os preços do mercado internacional. Temos, estamos praticando e teremos — garantiu o diretor de Refino e Gás.
Se a redução de preços nas refinarias for repassada integralmente para os preços finais, a Petrobras calcula que o diesel pode ter redução da ordem de 6,6% ou R$ 0,20 por litro. No caso da gasolina, a queda seria de R$ 0,05 ou 1,3%.
Técnicos do setor de distribuição estimam que, se o repasse for integral, a gasolina no Rio pode ter redução da ordem de 1,1%, passando de R$ 3,940 o litro, para R$ 3,896. Já o litro do diesel poderá ter redução de 6,3%, passando de R$ 3,084 o litro para R$ 2,881 o litro. QUEDA DE VENDAS NOS POSTOS A presidente do Sindcomb, que reúne os postos do município do Rio, Cida Schneider, disse esperar que as distribuidoras repassem a redução das refinarias para que os postos possam baixar seus preços nas bombas. Segundo a executiva, isso poderá ajudar a melhorar as vendas de combustíveis no Rio, que tiveram queda de 20% nos últimos tempos.
— A revenda é o último elo da cadeia do setor. Estamos torcendo para que as distribuidoras repassem a redução nos preços, para podermos estimular a venda dos combustíveis que vem caindo, por causa da crise econômica — disse Cida.
O Sindicom, que reúne as distribuidoras, não quis comentar o assunto

Newsletter